Dicas de Cultura Inútil

Se você tenta ler Nietzsche ou Joyce e não consegue, tenta assistir Godard ou Bergman e dorme no meio, não diferencia Monet de Manet e nem sabe quem foi Emmanuel Kant, PARABÉNS! Você está no blog certo!

04 fevereiro, 2008

Os Bandidos mais legais do cinema atacam novamente!

Acordei sem sono, durante a madrugada. Horário perfeito para assistir a um filme. Assim, coloquei Golpe de Mestre (The Sting, 1973) no DVD e deixei rolar. Foram duas horas agradáveis ao lado de Paul Newman e Robert Redford, mas agora chegou a hora de uma análise mais séria.

Mais do que qualidade, esse filme tem um charme que resiste ao tempo. Ele tem estilo, tem a marca de um cineasta (George Roy Hill) que soube transformar um bom roteiro numa obra inesquecível. A história é bem contada e devo confessar que me deixou em dúvida várias vezes, sobre o grau de lealdade de Johnny Hooker (Redford) para com Henry Gondorff (Newman).

No início, eles se juntam para dar um golpe num chefão irlandês, chamado Doyle Lonnegan (Robert Shaw, sinistro). No caso de Hooker, a trapaça é motivada por um forte desejo de vingança, já que Lonnegan mandou matar seu colega e mentor de vigarices, também amigo de Gondorff. Os dois armam um plano corriqueiro, usando o clichê do capanga que quer passar a perna no próprio chefe.

Embora simples, a execução do golpe é trabalhosa e exige a mobilização de várias pessoas e muito dinheiro, sendo que o segundo item é fornecido pelo alvo, sem querer é claro. Para complicar ainda mais, Hooker é perseguido durante todo o filme. Seja pelos capangas de Lonnegan (com destaque para Salino, o assassino misterioso), seja pelo obeso e corrupto Detetive Snyder (Charles Durning), uma pedra no sapato de qualquer vigarista.

Contando com uma deliciosa trilha sonora, que dita o ritmo narrativo de maneira brilhante, Golpe de Mestre ainda resgata Scott Joplin, compositor de rags, do ostracismo para o Oscar de melhor música. Excelente também é a reconstituição da década de 30, que faturou os prêmios de figurino e direção de arte da Academia.

Além dessas, The Sting também ganhou mais 4 estatuetas: de Edição, Roteiro Original, Direção e Melhor Filme. Nada mais justo para coroar a colaboração entre Newman, Redford e o diretor George Roy Hill, começada em Butch Cassidy and The Sundance Kid (1969). Abaixo, seguem os créditos iniciais do filme, ao som de "The Entertainer", que uma alma caridosa colocou no Youtube:

Marcadores: , , ,

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home